Ao mesmo tempo em que o mundo anseia pela imunização contra o vírus SARS-Cov-2, o alcance da vacinação em tempos de pandemia tem sido abaixo das expectativas, com possibilidade de repercussões negativas à saúde da população. Diante disso, integrando as atividades do dia 09 de junho, dia Nacional da Imunização no Brasil, várias foram as iniciativas para o fortalecimento do processo de vacinação no país. As Sociedade Brasileiras de Pediatria (SBP), Imunizações (SBIm) e Infectologia (SBI), em conjunto com a GlaxoSmithKlaine (GSK) e UNICEF, buscam dar visibilidade à queda na cobertura vacinal infantil e sua articulação com as recomendações diante da atual pandemia.

 

COVID-19 e a ida às unidades de saúde para vacinação

  • Todos aqueles que estão com sintomas sugestivos da COVID-19, devem priorizar o isolamento social e dirigir-se às unidades de saúde para vacinação somente após a resolução do quadro e os 14 dias de isolamento, de preferência com a indicação do profissional de saúde que acompanha o seu caso.
  • Para pessoas assintomáticas, o calendário de vacinação continua mantido e é de grande importância. Por estarmos em época de campanha contra a Influenza (até o dia 30 de junho de 2020), cabe ressaltar que crianças com idade entre 6 meses e menores de 6 anos são público-alvo, assim como aquelas com deficiência ou que possuem alguma condição crônica de saúde, como a asma.

 

Por que vacinar as crianças mesmo em época de pandemia?

  • A vacinação previne doenças que podem causar internações e procura aos serviços de saúde, causando fragilidade à saúde das pessoas.
  • Além das próprias crianças serem protegidas, altas taxas vacinais protegem a população de novas epidemias. Com menos pessoas susceptíveis, a comunidade toda fica mais segura.  
  • Existem estudos que relacionam a proteção cruzada entre doenças. Alguns deles estão sendo feitos a partir de vacinas que já existem, como a BCG, que é estudado se protege também de quadros graves de COVID-19. Dessa forma, as vacinas podem proteger contra as doenças para as quais foram feitas, mas também outras enfermidades. Contudo, essa é uma possibilidade que ainda não foi confirmada pelas pesquisas.

 

Quais cuidados devo ter para a vacinação?

Cabe destacar que todas as medidas para prevenir a disseminação do coronavírus devem ser seguidas, ou seja, sair de máscara (exceto as crianças menores de 2 anos), adotar medidas de etiqueta respiratória e de higiene com rigor e evitar aglomerações. Ainda, ao tomar a vacina em si, a recomendação da SBP e a SBIm é para que se realize o maior número possível de vacinação em uma única vez, respeitando os intervalos determinados e as especificações para cada uma delas.

 

E a vacina para a COVID-19?

Estudos estão sendo realizados em todo o mundo na busca de uma vacina, porém isso demanda tempo. É um processo com várias etapas, sendo necessário analisar os efeitos de cada uma delas. O desenvolvimento da vacina de coronavírus demanda um período de observação para avaliar a sua eficácia. Para verificar quantas pessoas vacinadas realmente não se infectam pelo coronavírus. Na ausência das vacinas específicas, as medidas de prevenção continuam sendo o isolamento social e as medidas de higiene.

 

Para maiores informações acesse:

 

Autores
Déborah Carvalho Cavalcante
Monika Wernet
Patrícia Della Barba
Pedro Mendes Lages

 

 

Créditos da imagem: McKinsey no Rawpixel

Veja também:

Deixe um comentário